Vida de Adoração

O que seria uma vida de adoração? Quando se diz isso, as pessoas já imaginam um monte de gente dentro da Igreja todos os dias. Mas adorar a Deus é mais que isso. Beeeem mais.

Certa vez ouvi uma definição de adoração que achei maravilhosa: “adorar a Deus é fazê-Lo sorrir”. De vez em quando me pego pensando se tenho feito Deus sorrir com minhas atitudes. E não é só com atitudes dentro da Igreja ou no meio dos meus irmãos. É EM TODO O TEMPO.

Uma forma de adorar a Deus é dando bom testemunho no meio onde você vive, sabe? Desde as coisas mais simples (como devolver os centavos que vieram a mais no troco), às mais complexas (não levar aquela bike bonitona só porque ela está no bicicletário sem cadeado). Como cristãos, devemos sempre fazer as coisas certas -mesmo que mais ninguém as faça- e não fazer coisas erradas -mesmo que todo mundo faça.

Sim, é chatinho e não é fácil ser o certinho o tempo todo. Mas é a forma que Deus quer que vivamos nossas vidas: dando o exemplo.

Esses dias, conversando com Leandro, falamos sobre o comportamento de alguns alunos meus. Os adolescentes, de modo geral, não largam seus smartphones de jeito nenhum, nem durante as aulas. O professor está explicando o conteúdo e eles continuam com seus fones nos ouvidos prestando atenção em seus aparelhos. Se você é cristão e faz isso, além de falta de respeito com o profissional que está à sua frente, é mau exemplo para os ímpios que te cercam. Como cristãos, precisamos abrir mão de nossos smartphones não só durante os cultos mas também no decorrer das aulas no Colégio.

O bom testemunho é dado nos pequenos detalhes de nossa vida diária. O amigo não crente observa e percebe que VOCÊ age de forma diferente, até que ele percebe que essa diferença é a vida de adoração que você realmente vive.

Metaforicamente: você e o relacionamento com seu celular têm dado um bom testemunho de vida? O Senhor Jesus só está pedindo que você abra mão um pouquinho do seu smartphone, não está pedindo pra você abrir mão de sua vida. Não, ainda.

Vestindo a camisa

Outro dia estava saindo para trabalhar e, quando estava escolhendo qual roupa usar, peguei uma blusa que comprei em um congresso evangélico. Enquanto a vestia, pensei: “estou vestida de crente, hoje!”. Dei uma risadinha e fui trabalhar. Mas passei o dia refletindo naquela brincadeira que fiz comigo mesma.

As pessoas não devem perceber que somos cristãos (ou crentes, como muitos dizem) pelas roupas que estamos vestindo, mas sim pelas atitudes que estamos tomando. Como você se comporta em locais onde as pessoas não sabem que você é evangélico? Como você age no meio das pessoas ditas mundanas? Simplesmente andar com uma camiseta escrito “EuJesus” é muito fácil! Difícil é honrar a Deus e agir como um cristão independentemente do que veste e do que diz sua camisa.

Há um tempo atrás estava na moda camisas com frases engraçadas, com frases de efeito e, especialmente, camisas com declarações de amor a Cristo. Era uma febre! Qualquer um tinha uma blusa escrito, no mínimo, Jesus. Até que um dia, alguém muito sagaz apareceu com uma blusa com a seguinte frase:

“Andar com Jesus no peito é mole. Quero ver ter peito para andar com Jesus!”

E é a mais pura verdade! As pessoas devem ver e não ler Jesus em você. Devemos nos comportar como cristãos em tempo integral, de blusa lisa, de uniforme, em tempos difíceis, quando as tentações vierem, no ônibus lotado, no trabalho, no colégio, na rua, em casa…

Você não deve estar como cristão. Mas deve ser cristão.