Ainda existe gente boa no mundo. E esse cara foi meu aluno!

No dia 07 de maço de 2015 aconteceu algo no Colégio que muito me emocionou. Essa história apareceu nas lembranças do Facebook e, como no ano passado (quando ela fez 1 ano), resolvi compartilhar. Sempre vale a pena reler histórias como essa.

________

“A sexta feira terminou e me dei conta q não compartilhei a grata surpresa q tive hj: ainda existe gente boa no mundo.

Enquanto dava aula para a 2ª série do Ensino Médio, depois do recreio, uma moça da 3ª série bateu aflita à porta da sala. Atendi e perguntei se ela queria falar com alguém. Ela respondeu dizendo que queria fazer uma pergunta para a turma, mas q ela estava com vergonha e indagou se eu poderia transmitir a pergunta aos alunos. Respondi q sim e ela me fez o seguinte pedido:
– Professora, pergunta a eles se alguém encontrou o celular da minha amiga.
– Mas minha filha, vc acha q devolverão o celular? Que modelo era?
– Um Iphone S4.
Admito q não prendi o riso incrédulo. E disse a ela para aguardar que, mesmo achando q ninguém devolveria um Iphone, perguntaria à classe.
Quando perguntei se alguém havia encontrado um celular durante o recreio, meus alunos me questionaram “que celular?” e eu respondi que era um Iphone. Para a minha feliz surpresa um dos meus alunos se levantou, pôs a mão no bolso e tirou dele um aparelho com a famosa maçãzinha atrás. “É esse aqui?” – perguntou ele à moça na porta. Ela agradeceu super feliz e foi chamar pela amiga, que correu até a sala para agradecer ao rapaz.

A turma disse q ele era bobo, otário e outras coisas mais por devolver UM IPHONE. O defendi dizendo que a atitude dele foi correta, que não deveriam falar assim com ele, que simplesmente revidou: devolvi o celular porque ele NÃO É MEU.

Fiquei tão feliz, orgulhosa e emocionada! Queria abraçar muito aquele garotão, ligar para a mãe dele e agradecer a ela pelo cidadão de bem que ela criou. Infelizmente não a conheço pessoalmente, mas estou pensando seriamente em procurá-la.”

jl

•● 15 de outubro: Dia do Professor ●•

Neste DIA DOS PROFESSORES gostaria, claro, de parabenizar meus colegas de profissão. E gostaria de parabenizar e agradecer especialmente alguns que marcaram minha vida:

  • tia Leninha, que foi um amor, um doce, e me acolheu na época em que entrei para a creche em Mangaratiba;
  • Manoel Fernandes, meu primeiro professor de Educação Física, ainda na época da alfabetização, e depois foi meu professor na 8ª série e durante o Ensino Médio Normal;
  • tia Sonia, “uma japonesinha”, que foi minha primeira professora no CIEP 294, quando eu fazia o C.A. (alfabetização);
  • tia Núbia, minha professora na 1ª série, que casou no fim do ano letivo e foi morar em Caxias. Como fiquei triste! Até que um dia, depois de graduada, a reencontrei em Mangaratiba e ela viu em mim um dos frutos de seus esforços quando percebeu que atualmente somos colegas de profissão;
  • tias Ana Beatriz e Ciça, que eram minhas professoras durante a 2ª série, que me ensinaram a fazer “letrinha de mão”;
  • tia Adriana Coimbra, que foi minha professora na 3ª série;
  • professoras Andreia Maria e Rosane que, durante a 4ª série, souberam lidar comigo durante a transição da infância para a adolescência;
  • professora Denise, de Inglês, que me deu aula na 5ª série e até hoje lembro do que ela ministrou;
  • professora Solange Stoque, de Língua Portuguesa, que carinhosamente lia, corrigia os meus textos e me incentivava a continuar escrevendo quando eu estava na 5ª e 6ª séries;
  • professora Neiva, de Língua Portuguesa e Produção de Texto que, quando mudei do CIEP 294 para o CE João Paulo II (na metade da 8ª série), descobriu que eu gostava de escrever e me usava como exemplo em outras escolas onde ela trabalhava para que seus alunos desenvolvessem o gosto pela leitura e escrita;
  • professora Cristina Oliveira, que me incentivou a continuar escrevendo quando entrei no Ensino Médio Normal e me convenceu a fazer minha inscrição nos concursos de redação e poesia que ganhei (ela dizia que eu deveria fazer faculdade de Letras, Jornalismo ou Comunicação… rs);
  • professora Mariza Castilho (a Marizinha) que, no 1° do Ensino Médio Normal, não nos deixava colar folhas no caderno, nos fazia copiar toooodas as – chamadas – xérox para treinarmos a letrinha de professora, que nos fazia escrever só com caneta preta e que não aceitava Diário de Classe rasurado;
  • professora Cirlei Rinaldi (sim, a Cirlei! rs) que era uma professora muito exigente. Ela “pegou no meu pé” o Ensino Médio Normal inteiro e no último dia de aula do 4° e último ano, quando eu tinha certeza de que ela me odiava, fez um elogio inesperado e fenomenal à minha prática pedagógica;
  • professores da Graduação em Educação Física; e
  • professores da Especialização em Educação Física Escolar.

Claro que outro(as) professores passaram pela minha vida e que agora não estou me lembrando para listar e homenagear, mas que, com certeza me ensinaram a ser uma pessoa melhor, uma cidadã crítica e que influenciaram na escolha da minha profissão e me inspiraram a ser o que sou hoje: PROFESSORA.

 
Profª Esp. Vanessa Vasconcellos Imenes de Oliveira Nogueira
Especialista em Educação Física Escolar
CREF 030028-G/RJ