Post de Carnaval

Jesus não era bonzinho.

As pessoas pregam que Jesus, enquanto homem aqui na Terra, era bonzinho, legal e só operava milagres. Mas JESUS NÃO ERA só LEGAL. Pelo contrário, ele era CHATO. E pra caraca! Sabe porque? Por que ele dizia a Verdade, falava da chegada do Seu Reino e da consequência daqueles que não aceitariam essa Verdade.
Então pra quê ser legal e bonzinho e não levar a Palavra da Verdade aos que te cercam? Pra quê pular Carnaval para ser legal se Jesus não aprovaria isso? Porque ser bonzinho dando um jeito de ser aceito pela sociedade se Jesus estava “se lixando” para isso?
De que adianta postar versículos somente sobre vitória e prosperidade e não falar das consequências de uma vida de pecado?
Para Jesus, o importante é ser verdadeiro, mesmo que isso pareça chato.

E eu quero ser como Jesus.

thanks, God! :)

Hoje, feriado de Corpus Christi, fiquei pensando em muitas coisa boas que Deus fez por mim e por outras pessoas à minha volta. Inclusive, pensei no sacrifício de Cristo na cruz, sacrifício através do qual tenho a vida eterna. Aí comecei a pensar em bençãos que Deus me concedeu especificamente: meu marido lindo, minha família, meus amigos, nosso ap que ainda não está pronto, a casa que alugamos no Rio, o flat que moramos em Mambucaba, nossos bens, meu emprego (sim, reclamo que não sou bem paga mas agradeço a Deus por ele, pois eu sei que foi Deus quem me deu), entre outras…

Quando estava no Ensino Médio Normal, havia uma Lei que todo e qualquer professor deveria ter Curso Superior. Minha intenção sempre foi trabalhar com Educação Infantil, inclusive dizia às minhas amigas que faria a faculdade, mas que trabalharia com os pequenos. Na época em que estava terminando o Normal, me senti direcionada a cursar a faculdade de Educação Física mas, segundo a minha vontade, para fazer um concurso e trabalhar com os miudinhos, juntar dindim e pagar a faculdade que EU queria: Direito. Mas, Deus deixa bem claro em Jeremias 29.11 : “Eu é que sei os planos que tenho para vocês…”. Então, mesmo sem saber, fui cumprir a vontade de Deus e me graduaei em Educação Física. Mais ou menos no início da faculdade a tal da Lei que todos os professores deveriam ter Curso Superior foi revogada e me vi apaixonada pela profissão. Desisti de fazer Direito e resolvi no 5º período tentar concurso para Professor Docente I (professor de 2º segmento do Ensino Fundamental e Ensino Médio), da Rede Estadual de Ensino. Fiz e passei para a glória de Deus. Em 09 de julho de 2009 me formei e no dia seguinte fui assumir meu cargo na Coordenadoria de Educação.

Agora, além da Lei ter sido revogada, os Colégios Estaduais não podem mais oferecer o Ensino Fundamental. As turminhas de Educação Infantil até o 5º ano (antiga 4ª série) agora são responsabilidade das Prefeituras Municipais e o Estado ficou com o 2º segmento do Ensino Fundamental (do 6º ao 9º ano) e o Ensino Médio. Ou seja, tem um monte de “professoras normalistas” na Rede Estadual indo parar em secretaria, virando inspetora de turno, coordenadora de turno, outras estão pedindo demissão e outras, ainda, cursaram faculdade e estão sendo realocadas nos quadros de horário.

A benção na qual fiquei meditando e agradecendo a Deus, é que realmente devemos escolher o que Ele deseja para nós, pois é sempre o melhor. Se eu tivesse teimado em continuar sendo professora normalista só para trabalhar com os pequenininos, provavelmente hoje estaria desempregada. Já que prestei concurso para o Estado que não oferece mais Educação Infantil. Em 2002, quando ingressei no Ensino Médio, se me perguntassem com qual turma eu gostaria de trabalhar, certamente responderia Pré Escola. Hoje, vivendo o que Deus preparou para mim, estou lecionando para turmas de Ensino Médio, tentando influenciar positivamente esta geração.

“As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que O amam.” (I Corintios 2:9)

Nunca me imaginei vivendo tudo isso. De início, não queria ser professora e não gostava de trabalhar com adolescentes. Hoje vejo que foi a melhor escolha que Deus fez para mim.

Aproveite o feriado de Corpus Christi e celebre o corpo de Cristo! Agradeça a Deus por ter mandado seu Filho para morrer na cruz pela humanidade e também reflita sobre tooooodas as outras bênçãos que Deus reservou para você! 🙂

Não queimei meu sutiã!

Esses dias estava observando umas colegas de trabalho comentando que prestaram concurso público para isso e aquilo; que a vida andava difícil, pois tinham que trabalhar em 2 colégios e depois ainda dar conta dos afazeres domésticos. Algumas têm secretária, outras querem dispensar as suas, outras se dizem “exploradas” pelos maridos e filhos quando chegam em casa… fiquei tonta no meio daquele bate papo informal da mulherada.

Fiquei pensando… e eu? A única certeza que tenho é a de que não quero nenhum(a) estranho(a) em meu lar, quero ter o prazer de cuidar de minha casinha e de criar meus filhos. Mas aí? O que farei? Queimarei meu diploma ou meu sutiã?

Na década de 60 mulheres levaram revistas femininas, cílios postiços, sapatos de salto, sutiãs, tudo que remetesse à “feminilidade fútil” para uma praça de Atlantic City com o fim de protestar queimando essas peças, porém a prefeitura não permitiu o uso de fogo e esse ato ficou apenas na vontade, mas se tornou símbolo da luta feminista. Elas queriam igualdade entre os sexos, queriam ter o direito de trabalhar nas profissões que desejassem, queriam liberdade de expressão, queriam ser tratadas com respeito. Porém, as coisas não andaram como as feministas da época desejavam.

As mulheres tornaram-se masculinizadas. Algumas trabalhando em profissões que antes eram destinadas apenas a homens. Não que eu tenha algum problema com isso, pelo contrário! Cada um deve escolher o que quer! Mas eu não desejo trabalhar, trabalhar, trabalhar e trabalhar só para dizer que sou livre.

Estamos pagando um preço alto por querer a igualdade entre os gêneros. Deus não nos fez iguais, então  devemos ser diferentes!


Princípios de Deus (segundo estudo contido na Bíblia da Mulher)

O casamento é o relacionamento mais antigo do mundo, estabelecido por um Criador soberano, no jardim do Éden. Nesse cenário belo e perfeito, Deus organizou o lar, designando posições e definindo responsabilidades a Adão e Eva.

Adão seria o provedor (“para cultivar” o jardim), o protetor (“para guardar” o jardim) e o líder (“O Senhor Deus lhe deu essa ordem”). Sua ocupação era cuidar do jardim e do que havia nele (Gn 2.15-17). Isso exigia o tipo de liderança de servo praticada por Jesus (Ef 5.21-33). Não há, certamente, espaço para o abuso e nem para a tirania contra a esposa por parte do marido, nem opção para a recusa voluntariosa da mulher pela liderança do marido.

As responsabilidades da mulher são várias: ela deveria ser uma “auxiliadora” (Gn 2.18), uma consoladora (Gn 24.67) e uma encorajadora (Pv 31. 12, 26). Eva era parceira de Adão para executar o propósito divino de multiplicar e encher a terra (Gn 2.18). Ela deveria ser sua companheira terrena mais íntima, aliviando sua solidão (Gn 2.18).

Quando o pecado entrou no mundo, o caos instalou-se. O plano de Deus permanecia o mesmo, mas foi deturpado pelas escolhas pecaminosas de Adão, de Eva e de seus descendentes. Deus permitiu que Adão e Eva escolhessem pecar, mas não escolhessem as consequências do pecado. O medo tomou conta deles; temeram enfrentar a Deus por causa da sua desobediência (Gn 3.10). Foram expulsos de seu lar com esta previsão: o trabalho de Adão se tornaria difícil, por que seria obrigado a lutar com cardos e abrolhos (Gn 3.17, 18), e Eva sofreria ao dar à luz (Gn 3.16). Adão, Eva e sua posteridade teriam combates espirituais até o fim dos tempos.

Apesar do fracasso de Adão e Eva, os princípios de Deus para o casamento permaneceram os mesmos – segundo os papéis designados por Deus, os maridos devem usar sua autoridade, dada por Deus, para prover, proteger e amar (Gn 2.15-17; Ef 5.25), e as mulheres devem ajudar seus respectivos maridos e submeter-se à sua liderança, dirigida por Deus (Gn 2.18; Ef 5.23,24). Os maridos e as mulheres podem ignorar o plano de Deus para o lar, mas, quando um princípio espiritual é violado, o resultado é a divisão. Eles podem buscar redefinir o plano de Deus conforme seus desejos e circunstâncias pessoais, mas, em última análise, a sabedoria humana não pode competir com a do Deus onisciente. Não haverá unidade, contentamento, nem paz – só uma casa dividida – num casamento que desafia os princípios de Deus. Maridos e esposas são desafiados a despender tempo, energia e criatividade em busca de meios para se conformarem à liderança de servos e à submissão, a exemplo de Cristo.

Conclusão (as minhas palavras)

Nós, mulheres, não devemos ser aquela Amélia cantada na música popular, que é aquela que fica em casa vivendo só para procriar, para agradar ao marido e sendo, às vezes, até maltratada por ele. Atualmente trabalhamos para ajudar na renda familiar, mas devemos continuar femininas, preservando nossa aparência física, cuidando de nosso lar, educando nossos filhos e não nos matando de trabalhar por aí deixando nossas crianças “soltas” o dia inteiro permitindo que a rua se encarregue de educá-las.

Tive a sorte -sorte, não! benção- de ser professora e poder trabalhar em meio período. Admito que o salário não é dos melhores (como todo mundo sabe), mas é suficiente para ajudar nosso cofrinho e, quando Deus nos abençoar com filhos, terei tempo para educá-los nos caminhos do Senhor.

Tenho orgulho de dizer que não queimei meu sutiã e que não vou queimar meu diploma! Viverei de acordo com a vontade de Deus, sendo uma auxiliar idônea, uma companheira de verdade para o Leandro, uma dona de casa que dá o melhor de si pelo seu lar, (futuramente) uma mãe divinamente inspirada e uma excelente profissional.

Deus me fez mulher. E é assim que quero ser!

Aliste-se já!

Peguei no blog da minha amiga Daiane, a Nuvem de Marte.
—-

Ser um soldado no meio cristão significa lutar pelo mundo, de modo que todos possam conhecer a palavra de vida eterna e por meio de nós, serem salvos.

“Quem escolhe a disciplina mostra o caminho da vida, mas quem ignora a repreensão desencaminha os outros.” (Provérbios 10.17)

 

Critérios aos Soldados:

Força

O dicionário define força como: “Toda causa capaz de agir, de produzir um efeito. São forças naturais.”  Somos humanos e isso significa que somos fracos e pecadores, desanimamos com  muita facilidade, porém devemos procurar a força vinda dos céus, pode ser difícil e complicado,  as vezes devemos engoli nosso orgulho e ego para alcançar o alvo.
“Ele se compadece dos fracos e dos pobres, e os salva da morte” (Salmos 72.13)

Santidade

O dicionário define santidade como: “Qualidade daquele ou daquilo que é santo.” e santo: “Essencialmente puro, soberanamente perfeito. Pessoa exemplar, virtuosa, de conduta irrepreensível.” Se devemos ser imitação de Cristo que mesmo vindo ao mundo em forma de homem foi santo, devemos procura constantemente viver em santidade. Peça perdão hoje a Cristo pelos pensamentos maus e comece a busca pela santidade, enquanto há tempo.
“Amados, visto que temos essas promessas, purifiquemo-nos de tudo o que contamina o corpo e o espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus.” (2 Corintios 7.1)

Compaixão

O dicionário define compaixão como: “Sentimento de pesar que nos causam os males alheios; comiseração, piedade, dó.” Existem povos com sede e fome de Deus e falta muitos soldados preparados espiritualmente para sair da sua zona de conforto e atender ao ide. Enquanto reclamamos que não temos nada, existem pessoas que realmente não tem nada. E você? Tem amor por essas vidas?
“Quanto lhe for possível, não deixe de fazer o bem a quem dele precisa. Não diga ao seu próximo: ‘Volte amanhã , e eu lhe darei algo’, se pode ajudá-lo hoje.” (Provérbios 3. 27-28)

O dicionário define fé como: “Fidelidade em honrar seus compromissos, lealdade, garantia. Confiança em alguém ou em alguma coisa. Afirmação, comprovação. estar convencido da verdade do que se diz.” Com certeza esse é o tema mais abordado em igreja, não a fé em si mas a falta dela. Em meio aos gigantes deixamos de acreditar e duvidamos da Onipotência, onipresença e onisciência do nosso Senhor, a diferença está que o urso que enfrentamos hoje não se compara ao gigante de amanhã e devemos permanecer firme naquele que começou a boa obra.
“Justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos os que creem. Não há distinção” (Romanos 3.22)

Amor

O dicionário define amor como: “Afeição viva por alguém ou por alguma coisa. Paixão, gosto vivo por alguma coisa. Zelo, dedicação.” Sobre tudo o que se faça, faça com amor, pois não há nada que atraia ao coração do Pai, mas do que o trabalho do servo feito com amor e gratidão, pois de nada adianta ações se não colocarmos a nossa paixão no que fazemos.
“Não procurem vingança, nem guarde rancor contra alguém do seu povo, mas ame cada um o seu próximo como a si mesmo. Eu sou o SENHOR.” (Levítico 19.18)
“Assim, permanecem agora esses três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor.” (1 Coríntios 13.13)

 

Todos nós,  como a geração eleita e escolhida temos o dever de levar a verdade para todos os povos para que possam apreciar da mesma alegria que nós vivenciamos.

Modinha-nha! ;)

Quando entrei no Ensino Médio, quem não tinha Msn era, no mínimo, “bobo”:

_ Me passa seu msn?

_ Não tenho…

_ Deixa de ser bobo! Você precisa ter um. Todo mundo tem!!

E a criatura se encaminhava até a lan house mais próxima e criava seu msn. Só tinha meia dúzia de contatos, mas tinha. E a maioria eram conhecidos seus.

 

Quando estava terminando meu Ensino Médio, em 2005 (nem tem tanto tempo assim, tá? rs), todos precisavam de um Orkut.

_ Tá todo mundo lá! Dá pra ver fotos, reencontrar amigos, encontrar pessoas de outros estados e até países!

Porém, havia quem fosse contra:

_Olha só o nome! Isso só pode ser coisa do demônio!! Tem alguma coisa estranha nisso, tá atraindo muita gente.

No início, só dava para entrar no Orkut quem ganhasse convite de algum amigo bonzinho. Mas o tempo foi passando e o Google percebeu que o Orkut “pegou” e liberou para qualquer um acessar e criar seu profile, ou melhor, perfil. Pronto! Todo mundo tinha um. Era scrap pra lá, scrap pra cá e um ia acc o outro sem ao menos conhecer. As pessoas poderiam ter até 1000 amigos em seu perfil. Amigos em termos, porque a maioria era desconhecida mesmo. Join?

 Há um tempo atrás, quando já estava faculdade, passou uma matéria no Fantástico falando da nova sensação do momento: o Twitter. No mini blog você poderia escrever um pensamento de até 140 caracteres. Foi uma febre!! Quase todos tinham.

_ Você viu o que ela twittou hoje?

_ Como ela pode escrever uma coisa dessas?

_ Aliás, você já segue meu Twitter?

_ Hum… acho que não…

_ Não acredito!! Follow me!

E era um tal de um twittando o outro pra cima e para baixo!… E eu nunca tive um. Foi aí que me dei conta de uma coisa: tô ficando velha para essa história de redes sociais. Nunca consegui entender a preciosa função do Twitter e muito menos a razão dele ter se tornado uma febre no meio da galera.

 

Quando eu achei que não havia mais o que ser inventado, eis que surge o Facebook.

_ Você tem Face?

_ Não… mas tenho Orkut, serve?

_ Orkut é coisa do passado! A moda agora é Face. Lá você encontra todo mundo, conversa com a galera em tempo real, escreve seus pensamentos e ainda coloca fotos pra geral ver!!

Pronto! Fizeram uma miscelânea de todas as redes sociais: o Facebook.

 

Não, eu não tenho Facebook. Mas tem tanta gente me perturbando com isso… “O Orkut já era!” – dizem.  Ou “tá todo mundo no face”. Ou ainda “o Orkut vai acabar, hein!”. Será? Será?

Mas continuo irredutível! Não tenho Facebook e Twitter e nem tenho interesse em ter! Não vou criar um Facebook só para aderir a uma modinha que deve ser passageira. Posso ficar sozinha na net mas o Orkut será a minha única rede social!! Hunf!

Hum… pensando bem, fiquei com medo agora. É sério.

Sabe do que estou com medo? De Jesus Cristo ser uma modinha para algumas pessoas.

Da galera dizer que tem Jesus como seu salvador pessoal só para fazer parte de um círculo social, mas na verdade Jesus Cristo está à léguas de sua vida. O pior é que esse tipo de pessoa acredita mesmo ter Cristo no coração, mas é só a moda passar que Jesus vai pro fundo do armário ficar escondidinho lá como uma calça velha. Como o Msn e o Orkut passaram, tô com medo de Cristo “passar” na vida dessa gente também.

Será que você tem Jesus de verdade ou vive na modinha de ser crente? Pense bem!

Vestindo a camisa

Outro dia estava saindo para trabalhar e, quando estava escolhendo qual roupa usar, peguei uma blusa que comprei em um congresso evangélico. Enquanto a vestia, pensei: “estou vestida de crente, hoje!”. Dei uma risadinha e fui trabalhar. Mas passei o dia refletindo naquela brincadeira que fiz comigo mesma.

As pessoas não devem perceber que somos cristãos (ou crentes, como muitos dizem) pelas roupas que estamos vestindo, mas sim pelas atitudes que estamos tomando. Como você se comporta em locais onde as pessoas não sabem que você é evangélico? Como você age no meio das pessoas ditas mundanas? Simplesmente andar com uma camiseta escrito “EuJesus” é muito fácil! Difícil é honrar a Deus e agir como um cristão independentemente do que veste e do que diz sua camisa.

Há um tempo atrás estava na moda camisas com frases engraçadas, com frases de efeito e, especialmente, camisas com declarações de amor a Cristo. Era uma febre! Qualquer um tinha uma blusa escrito, no mínimo, Jesus. Até que um dia, alguém muito sagaz apareceu com uma blusa com a seguinte frase:

“Andar com Jesus no peito é mole. Quero ver ter peito para andar com Jesus!”

E é a mais pura verdade! As pessoas devem ver e não ler Jesus em você. Devemos nos comportar como cristãos em tempo integral, de blusa lisa, de uniforme, em tempos difíceis, quando as tentações vierem, no ônibus lotado, no trabalho, no colégio, na rua, em casa…

Você não deve estar como cristão. Mas deve ser cristão.