•● 15 de outubro: Dia do Professor ●•

Neste DIA DOS PROFESSORES gostaria, claro, de parabenizar meus colegas de profissão. E gostaria de parabenizar e agradecer especialmente alguns que marcaram minha vida:

  • tia Leninha, que foi um amor, um doce, e me acolheu na época em que entrei para a creche em Mangaratiba;
  • Manoel Fernandes, meu primeiro professor de Educação Física, ainda na época da alfabetização, e depois foi meu professor na 8ª série e durante o Ensino Médio Normal;
  • tia Sonia, “uma japonesinha”, que foi minha primeira professora no CIEP 294, quando eu fazia o C.A. (alfabetização);
  • tia Núbia, minha professora na 1ª série, que casou no fim do ano letivo e foi morar em Caxias. Como fiquei triste! Até que um dia, depois de graduada, a reencontrei em Mangaratiba e ela viu em mim um dos frutos de seus esforços quando percebeu que atualmente somos colegas de profissão;
  • tias Ana Beatriz e Ciça, que eram minhas professoras durante a 2ª série, que me ensinaram a fazer “letrinha de mão”;
  • tia Adriana Coimbra, que foi minha professora na 3ª série;
  • professoras Andreia Maria e Rosane que, durante a 4ª série, souberam lidar comigo durante a transição da infância para a adolescência;
  • professora Denise, de Inglês, que me deu aula na 5ª série e até hoje lembro do que ela ministrou;
  • professora Solange Stoque, de Língua Portuguesa, que carinhosamente lia, corrigia os meus textos e me incentivava a continuar escrevendo quando eu estava na 5ª e 6ª séries;
  • professora Neiva, de Língua Portuguesa e Produção de Texto que, quando mudei do CIEP 294 para o CE João Paulo II (na metade da 8ª série), descobriu que eu gostava de escrever e me usava como exemplo em outras escolas onde ela trabalhava para que seus alunos desenvolvessem o gosto pela leitura e escrita;
  • professora Cristina Oliveira, que me incentivou a continuar escrevendo quando entrei no Ensino Médio Normal e me convenceu a fazer minha inscrição nos concursos de redação e poesia que ganhei (ela dizia que eu deveria fazer faculdade de Letras, Jornalismo ou Comunicação… rs);
  • professora Mariza Castilho (a Marizinha) que, no 1° do Ensino Médio Normal, não nos deixava colar folhas no caderno, nos fazia copiar toooodas as – chamadas – xérox para treinarmos a letrinha de professora, que nos fazia escrever só com caneta preta e que não aceitava Diário de Classe rasurado;
  • professora Cirlei Rinaldi (sim, a Cirlei! rs) que era uma professora muito exigente. Ela “pegou no meu pé” o Ensino Médio Normal inteiro e no último dia de aula do 4° e último ano, quando eu tinha certeza de que ela me odiava, fez um elogio inesperado e fenomenal à minha prática pedagógica;
  • professores da Graduação em Educação Física; e
  • professores da Especialização em Educação Física Escolar.

Claro que outro(as) professores passaram pela minha vida e que agora não estou me lembrando para listar e homenagear, mas que, com certeza me ensinaram a ser uma pessoa melhor, uma cidadã crítica e que influenciaram na escolha da minha profissão e me inspiraram a ser o que sou hoje: PROFESSORA.

 
Profª Esp. Vanessa Vasconcellos Imenes de Oliveira Nogueira
Especialista em Educação Física Escolar
CREF 030028-G/RJ
 
 

Sobre a greve da Rede Estadual [3]

Ontem completei 2 meses em greve. Estou cansada de ficar em casa, estou morrendo de saudade dos meus alunos (até dos pentelhos. rs), vivo pensando no planejamento maravilhoso que elaborei para o 3° bimestre, mas quando paro e penso em tudo o que está acontecendo, resolvo para mim mesma que

A GREVE CONTINUA!!

Quer saber a razão? Não conseguimos nada para voltar ao trabalho!
Independente do que dizem, EU CONTINUO NA LUTA.

Já gastei muito tempo tentando convencer meus colegas. Inclusive, muitos deles já teriam voltado às salas de aula há tempos e “se seguraram” pelo meu discurso. Agora cansei! Não tenho que persuadir ninguém! Acho que somos todos adultos para enxergar o que está havendo e precisamos arcar com as consequências da escolha que fizemos. Tem gente aí que gosta de BRINCAR de greve. Mas eu NÃO! Entrei na luta e só saio quando ela terminar.

Não tenho coragem de voltar para o Colégio e olhar nos olhos de meus alunos e dizer a eles que voltei porque voltei, já que não ganhamos nada do que reivindicamos. O que vou dizer às minhas turmas?? Que os ensino a lutar para conquistar mas que, na minha hora de lutar, eu fujo? Não completei 2 meses em greve à toa! Só volto depois que a assembleia da categoria decidir terminar a greve. Tem gente apanhando por mim na rua e eu não terei cara de voltar a trabalhar no mundinho cor de rosa em que o Almirante vive enquanto houverem colegas lutando por mim e pelos pelegos.

Eu apago mas não bato!!
Por uma Educação Decente, PERMANEÇO EM GREVE!!

 “…verás que um filho teu não foge à luta”, Brasil! E esse filho sou eu!

Vanessa Imenes
(Professora do CE Almirante Álvaro Alberto)

Sobre a greve da Rede Estadual [2]

Por R$0,20 o povo saiu às ruas, fez protestos… e pela causa da Educação ninguém se manifesta??!!

A PM, que deveria lutar CONOSCO, está batendo nos professores, literalmente bombardeando aqueles que são educadores de seus filhos (já que o salário de um PM só pode “pagar” um colégio público).

Os professores lutaram JUNTOS com os Bombeiros e policiais em 2011. E agora, cadê todos aqueles servidores estaduais indignados com o Governo Cabral?

Cadê meus colegas reclamões da sala de professores nessas horas? #vempragreve, minha gente!!

De ontem para hoje circulou nas redes sociais que uma professora MORREU durante os protestos, vítima do “apoio” da PM. Isso mesmo: UMA PROFESSORA MORREU.
Porém, agora a pouco, li que o SEPE – Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação – não confirmou o falecimento da professora Elisabeth (ainda bem!). Contudo, diante de toda a violência usada pela PM contra os professores, não seria surpresa nenhuma caso a notícia fosse verdadeira.
Tem gente apanhando, se arriscando e sangrando por uma Educação melhor. E VOCÊ, o que tem feito?

Você, professor, vai continuar aí parado??
Vai continuar dando suas aulinhas, suas provinhas e pegando GLP dos seus colegas grevistas? Continuará aplicando o saerjinho, recebendo $$ para ser fiscal da Prova Brasil e do SAERJ como se nada estivesse acontecendo?? Repito: #vempragreve, minha gente!!